11 Julho, 2017

Internacionalização das PME’s

Os projetos de internacionalização de PME são cruciais para o desenvolvimento de estratégias que visem mercados externos, sendo que os apoios aos mesmos são importantes para capacitar as empresas num mercado global, promovendo o desenvolvimento de processos de preparação e qualificação das mesmas para esse efeito. O objetivo é permitir uma abordagem mais ampla e eficiente a mercados externos, dinamizando as PME e a sua oferta.

Estes projetos de internacionalização são importantes para dotar, empresas e regiões, de maiores níveis de competitividade, havendo já empresas em todos os setores a utilizar estes apoios para obter maior dimensão de mercados, alcançando mais-valias relacionadas com a competitividade, conhecimento e receitas.

O incentivo não reembolsável (ou seja, a fundo perdido) pode chegar aos 45% do total de investimento aprovado com determinado projeto, exceto no PO Lisboa qua atinge no máximo 40%. A exceção feita à região de Lisboa prende-se com o facto de apresentar melhores níveis de competitividade, face ao panorama europeu, posicionando-se na 139ª posição (das 263 regiões europeias), à frente das regiões Centro (191º), Algarve (201º), Norte (203º), Alentejo (211º), Madeira (223º) e Açores (234º).

Para apoiar as empresas que apresentam ou pretendem investir numa forte estratégia de internacionalização, focando-se na presença em novos mercados, aumento de exportações e desenvolvimento/produção de bens transacionáveis, existem os apoios à Internacionalização do Portugal 2020 (POCI). Estes incentivos permitem que as empresas obtenham financiamento não reembolsável para projetos que visem, nomeadamente, conhecimentos de mercados externos, presença web, desenvolvimento e promoção internacional de marcas, prospeção e presença em mercados internacionais, marketing internacional, entre outras despesas, como certificações específicas para os novos mercados.

Uma análise detalhada ao tema da internacionalização das PME, disponibilizada pela Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa (CCIP), com dados referentes a 2016, confirma a tendência de internacionalização, sendo que 88% das empresas analisadas se encontra presente em mais de um mercado externo e, dessas, quase 40% estão presentes em mais de 5 mercados, apontando como elementos diferenciadores das PME nacionais: a qualidade dos produtos/serviços prestados, competitividade no preço e rapidez na resposta e na adaptação do negócio.

No contexto português o mercado europeu assume elevada importância, sobretudo em países como Espanha, França, Reino Unido e Alemanha, existindo uma dispersão mundial da presença de empresas nacionais, dependendo dos setores e de outras condicionantes, em mercados como Angola, Moçambique, EUA, Brasil e China. Cerca de 40% das empresas analisadas apresentam mais de metade do volume de negócios proveniente de mercados externos e 65% do universo de empresas em questão viram a sua atividade internacional crescer nos últimos 2 anos.

A importância dos mercados internacionais e da estratégia de internacionalização torna necessária uma seleção e abordagem eficiente aos mercados, devendo as empresas estar atentas à sua evolução e a diferentes oportunidades e ameaças que os mesmos podem acrescer à sua atividade.

Artigo escrito por:

diogo-rocha


Blog
Back to top